Central de Atendimento: 0800 001 1313 (48) 98805-5513

Blog

Os benefícios e malefícios da luz azul

Publicado em 14 de setembro de 2020.

As luzes que enxergamos (sejam elas provenientes do Sol ou de uma lâmpada artificial) correspondem a uma mistura de cores que são filtradas pelos nossos olhos e processadas no cérebro. Apesar de parecerem inofensivas, algumas destas luzes podem afetar o funcionamento do organismo humano de diferentes maneiras. A luz azul, por exemplo, vem sendo extensivamente estudada pelos cientistas, e pode ser considerada benéfica ou prejudicial à saúde humana, dependendo do contexto em que o organismo é exposto a ela.1,2

O azul compreende um espectro amplo de cores, que se estende desde o azul turquesa até o violeta. A luz azul, por sua vez, pode ser emitida por diferentes fontes e comumente encontrada no nosso dia a dia. Um exemplo é a luz solar que incide sobre a Terra, e que pode resultar tanto em sensação de bem-estar e vitalidade quanto em queimaduras e danos à visão, sendo estes efeitos diretamente relacionados aos diferentes feixes de luzes dentro do espectro azul emitidos pelo Sol.3,4

A exposição à luz solar em períodos e horários específicos (quando há predominância de raios solares com luz azul turquesa) proporciona uma sensação de bem-estar, melhora o ciclo circadiano e promove um aumento nos níveis de vitamina D. Por outro lado, a exposição prolongada à luz solar em períodos de alta incidência de raios no espectro do azul violeta está associada a queimaduras solares e danos oculares.


Além dos raios solares, a luz azul também está presente em diferentes aparelhos eletrônicos, como celulares, tabletes, computadores e televisões. Estudos apontam que ao ser captada pelos olhos, esta luz é capaz de modular a atividade de regiões específicas do cérebro, interferindo na produção de melatonina, um hormônio responsável pela regulação do ciclo circadiano, ou seja, da forma como o organismo organiza suas funções quando estamos acordados ou durante o sono.5,6

​Desta forma, será que a luz emitida por aparelhos eletrônicos pode interferir no nosso sono e na nossa saúde? Provavelmente muitos já ouviram os pais dizendo para não ficar até tarde em frente ao computador, ou para não dormir com a televisão ligada. Talvez, mesmo sem conhecer a explicação científica destes conselhos, eles já previam o grande malefício da luz azul.

Nos últimos anos, estudos vêm demonstrando que a exposição constante à luz azul no período da noite faz com que o cérebro entenda que ainda não anoiteceu, modificando todo o ciclo circadiano do organismo. Esse processo acontece quando a luz azul é reconhecida pela glândula pineal (uma glândula localizada no cérebro), o que retarda o início da produção da melatonina naquela noite. A médio e longo prazo, esta alteração na liberação de melatonina pode desencadear inúmeros efeitos deletérios à saúde, desde insônia, a alterações metabólicas, obesidade e depressão.  Já a curto prazo, esta luz pode provocar um prejuízo a visão, como a fadiga visual (olhos doloridos ou irritados com dificuldade de focar) e o ressecamento da retina.5,7

A exposição à luz azul durante a noite (em especial momentos antes de deitar) reduz a produção e a liberação de melatonina, o que pode prejudicar o sono, contribuir para o desenvolvimento de alterações metabólicas e aumentar o risco de inúmeras doenças.

Mas afinal, a exposição à luz azul só resulta em efeitos prejudiciais ao organismo humano? Na área da medicina, uma das aplicações mais conhecidas da fototerapia com luz azul é o tratamento da icterícia (pele e olhos amarelados devido ao acumulo de bilirrubina no organismo), sobretudo em recém nascidos. Nestes casos, a luz azul é capaz de alterar a estrutura química da molécula de bilirrubina, facilitando sua eliminação do organismo e prevenindo complicações que incluem alterações no sistema nervoso, crises convulsivas e doenças auditivas.8

A fototerapia com luz azul é empregada no tratamento da icterícia (principalmente em recém-nascidos), pois auxilia na redução dos níveis séricos de bilirrubina.


Além de auxiliar na eliminação do excesso de bilirrubina acumulado no organismo, a incidência de luz azul também pode interferir positivamente no ciclo circadiano. Embora tenha sido apontado que a luz azul interrompa a produção de melatonina quando exposta no período da noite, o mesmo também acontece no período da manhã. Ao amanhecer, a incidência da luz solar faz com que nosso corpo identifique que o dia iniciou, reduzindo os níveis de melatonina e facilitando o despertar. Diferentes estudos mostram que a exposição à luz solar pela manhã aumenta a sensação de bem-estar durante o dia, além de também proporcionar uma melhora no humor. Adicionalmente, já foi demonstrado que o uso de “banhos de luz azul” durante o dia auxilia no tratamento da depressão e contribui para a redução da pressão arterial.9–11
 


 

O Phenibut (ou ácido β-fenil-γ-aminobutírico) é um análogo sintético do aminoácido GABA – principal neurotransmissor inibitório no sistema nervoso central (SNC). É obtido através da inserção de um grupo fenil ao anel aromático do GABA, o que permite a passagem do Phenibut através da barreira hematoencefálica e facilita a sua entrada no SNC.


As propriedades farmacológicas do Phenibut são atribuídas especialmente à interação e ativação dos receptores GABAérgicos GABAB e GABAA (em menor extensão) no SNC, que promove uma redução na transdução de sinal neuronal, modulando a função cerebral. Assim, o Phenibut promove a melhora de aspectos relacionados à cognição e memória, concentração, foco e processos atencionais. Além disso, Phenibut também alivia os sintomas do estresse e melhora a qualidade do sono, parâmetros que afetam diretamente o bem-estar cognitivo e mental.​


Já a Teacrina é um alcalóide purínico encontrado em certas espécies de chás como Camellia assemica, uma variação indiana da Camellia sinensis, usada para fazer o chá-verde, branco e preto e em frutas, como o cupuaçu.

Estudos avaliando a ação da Teacrina em humanos mostram que a modulação dos receptores adenosinérgicos e os dopaminérgicos resultam no aumento da disposição, na concentração e no humor, sem causar tolerância ou alterações hemodinâmicas, de forma a possibilitar a substituição da cafeína em indivíduos habituados ou que não gostam dos efeitos adversos desta substância, por exemplo.

Além disso, tem sido evidenciadas propriedades antioxidantes, anti-inflamatórias e analgésicas,além de anti-depressivas e propriedades sedativas (em baixas doses) da Teacrina.

 

As informações fornecidas neste blog destinam-se ao conhecimento geral e não devem ser um substituto para a orientação de um profissional médico ou tratamento de condições médicas específicas. As informações aqui apresentadas não têm o objetivo de diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Nunca desconsidere o conselho médico ou demore na procura em função de algo que tenha lido em nosso blog e mídias sociais da Active Pharmaceutica.

Prescritores e farmacêuticos que desejarem obter mais informações sobre os nossos insumos podem entrar em contato com o nosso SAC através do e-mail sac@activepharmaceutica.com.br ou pelo 0800 001 1313.

Será um prazer atendê-los!

Confira mais