Central de Atendimento: 0800 001 1313 (48) 2132-2699

Blog

CONHEÇA A RELAÇÃO ENTRE MICROBIOTA INTESTINAL, ENVELHECIMENTO E SUPLEMENTAÇÃO COM PROBIÓTICOS

Publicado em 02 de maio de 2020.

A interação complexa entre os microrganismos que colonizam a microbiota humana exerce um papel fundamental em vários processos biológicos, incluindo a digestão de alimentos complexos, a síntese e absorção de nutrientes, hormônios ou de compostos bioativos, a proteção contra a proliferação de bactérias patogênicas e a regulação das respostas imunes no organismo. Dessa forma, o equilíbrio - ou homeostase - na composição da microbiota contribui para a manutenção da saúde e do bem-estar, enquanto alterações no número e na diversidade de determinados microrganismos (como bactérias dos gêneros Lactobacillus e Bifidobacterium) têm sido associadas ao desenvolvimento de diversas doenças.1,2

 

A quantidade e a diversidade de microrganismos encontradas na microbiota intestinal contribui para a manutenção da saúde em todo o organismo, assim como o desequilíbrio destes fatores (que caracteriza um quadro de disbiose) pode estar relacionado ao desenvolvimento de diversas doenças.

 

Tem sido demonstrado que a composição da microbiota intestinal de humanos pode variar ao longo de toda a vida, sob influência de características endógenas e fatores ambientais, tais como dieta e estilo de vida.

 

Fatores que podem influenciar a composição e a funcionalidade da microbiota humana.

 

A microbiota humana começa a ser formada imediatamente após o nascimento, embora alguns estudos apontem que o útero pode ser colonizado pelos microrganismos encontrados na microbiota vaginal materna. Nos primeiros meses de vida, a microbiota dos bebês apresenta uma composição instável e variada, influenciada principalmente pelo tipo de parto (vaginal ou cesariana), dieta (leite materno ou fórmulas infantis), uso de antibióticos, entre outros. Já foi demonstrado, pro exemplo, que bifidobactérias são os principais microrganismos encontrados na microbiota intestinal de bebês alimentados exclusivamente com leite materno, enquanto as contagens de Escherichia coli, Clostridium difficile, Bacteroides fragilis e Lactobacillus sp. são maiores naqueles alimentados exclusivamente com fórmulas. Além disso, evidências também demonstram que bebês tratados com antibióticos têm um número menor de enterococos e bactérias ácido-lácticas. Assim, inúmeros estudos apontam que a composição da microbiota intestinal durante os primeiros meses de vida é determinante para o desenvolvimento do sistema imunológico e sugerem que o desenvolvimento de certo tipos de alergias infantis estejam relacionadas às diferenças na microbiota.3

Após os primeiros 2 a 3 anos de idade, a composição da microbiota intestinal se estabiliza gradualmente, e atinge maior complexidade em adultos, quando é composta  por centenas de espécies distintas, sobretudo de bactérias pertencentes aos filos Firmicutes e Bacteroidetes, seguidos por actinobactérias, proteobactérias, entre outros. Contudo, as mudanças fisiológicas, nutricionais e de hábitos de vida comumente observadas durante o processo de envelhecimento biológico, assim como uso crônico de determinados medicamentos, também influenciam a composição da microbiota intestinal, alterações que se tornam mais evidentes após a sétima década de vida.  Já foi demonstrado que ocorre uma redução na diversidade de microrganismos que colonizam a microbiota intestinal de indivíduos idosos, caracterizada pelo menor número de bactérias do gênero Bifidobacterium e da diversidade de espécies dos gêneros Bacteroides, Prevotella e Lactobacillus. Ainda, a redução de diferentes bactérias pertencentes ao filo Firmicutes e o aumento de espécies pertencentes ao filo Bacteroidetes também já foram associados ao processo de envelhecimento.1,3,4

 

Composição da microbiota intestinal em diferentes estágios da vida e influência de características nutricionais e metabólicas ou do tratamento com fármacos, como antibióticos, sobre estes microrganismos.3

 

Como consequência das alterações na composição da microbiota durante o processo de envelhecimento, é observada também uma diminuição significativa nos níveis de ácidos graxos de cadeia curta (SCFA, da sigla em inglês) no trato gastrointestinal de idosos. Os SCFA (tais como acetato, propionato e butirato) são produtos de fermentação bacteriana de carboidratos associados a diversos efeitos benéficos em todo o organismo humano. Dessa forma, a redução dos níveis dos SCFA tem sido apontada como um dos fatores que contribui para o declínio na funcionalidade do sistema imunológico (imunosenescência), desenvolvimento de distúrbios metabólicos e inflamatórios, desnutrição, sarcopenia (perda de massa muscular), obesidade, diabetes, doenças neurodegenerativas e até mesmo neoplasias.1,3

Devido à íntima relação entre microbiota intestinal e senilidade (envelhecimento patológico), a manutenção da composição e da diversidade dos microrganismos que colonizam o intestino humano é essencial para a manutenção da saúde e promoção da longevidade. Assim, evidências apontam que a suplementação com probióticos pode resultar na melhora do bem-estar geral em idosos, assim como contribuir para a prevenção e tratamento de inúmeras doenças.2,5-7


Estudos clínicos demonstram que a suplementação com diferentes espécies de Bifidobacterium (incluindo B. animalis ssp. lactis, B. longum e B. bifidum) e Lactobacillus (L. acidophilus, L. delbrueckii ssp. Bulgaricus  e L. gasseri) estimula as funções imunológicas em idosos, retardando a senescência (processo de envelhecimento fisiológico) das sub-populações de células T e aumentando o número de células T imaturas que são responsivas a novos antígenos.  Adicionalmente, resultados pré-clínicos apontam os efeitos benéficos associados à suplementação com outras espécies probióticas (como Lactobacillus reuteri, Lactobacillus fermentum, Lactobacillus johnsonii e Lactococcus lactis). Dentre estes efeitos, destacam-se a melhora da função imunológica (aumento da atividade de linfócitos NK e da fagocitose mediada por granulócitos), aumento da atividade de enzimas antioxidantes, redução do estresse oxidativo e de alterações moleculares associadas ao envelhecimento (como a o encurtamento de telômeros), diminuição dos níveis de mediadores inflamatórios, regulação da síntese e liberação de hormônios tireoidianos e aumento da densidade mineral óssea, entre outros.8-21

 

Principais processos metabólicos e fisiológicos influenciados pelos microrganismos que compõem a microbiota humana e, também pela suplementação com probióticos.

 

Assim, considerando o aumento da expectativa de vida e o fenômeno de envelhecimento populacional que vem sendo observado em diversos países, a suplementação com probióticos – mediante orientação de profissional de saúde habilitado – vem se destacando com uma intervenção terapêutica eficaz e segura visando a melhora da saúde no decorrer do processo de envelhecimento.

 

A farmácia magistral permite que sejam feitas formulações individualizadas, de forma a atender as necessidades específicas de cada paciente, incluindo doses e formas farmacêuticas diferenciadas, como sachês e soluções orais, o que pode melhorar não só a palatabilidade, como a adesão ao tratamento.

 

CONFIRA OS PROBIÓTICOS DISPONÍVEIS NA ACTIVE PHARMACEUTICA:
 
 

 

Siga-nos nas redes sociais e mantenha-se atualizado sobre nossos produtos!

Instagram: @activephamaceutica

Facebook: /activepharmaceutica

 

Prescritores e farmacêuticos que desejarem obter mais informações sobre os nossos insumos, assim como as literaturas consultadas, podem entrar em contato com o nosso SAC através do email sac@activepharmaceutica.com.br ou pelo 0800 001 1313.

Será um prazer atendê-los!

Confira mais